Lubrificante para instrumentais cirúrgicos PROLUB

O que é o Lubrificante para instrumentais cirúrgicos
Prolub?

O lubrificante para instrumentais cirúrgicos PROLUB é destinado a prevenir corrosão, travamento das articulações dos instrumentais cirúrgicos lavados em processo manual. Pode ser usado por imersão ou por pulverização. Ajuda a manter a vida útil e a eficiência de seus instrumentos reduzindo os custos de reparo e substituição. É formulado com de óleo mineral solúvel em água que pode suportar a alta temperaturas de autoclavagem sem ficar pegajoso.

PROLUB é uma emulsão lubrificante de alto desempenho composto por óleos minerais sem silicone, tensoativos não iônicos e emulsionantes, com uma formulação balanceada que agrega alto desempenho, proteção e segurança na lubrificação de instrumentos cirúrgicos que serão esterilizados por vapor. De pronto uso, protege os instrumentos formando uma camada protetora que previne oxidações, manchas e travamento das articulações.

PROLUB é uma emulsão lubrificante não oleosa, hidrossolúvel, permeável a vapor, que previne a corrosão e travamentos das articulações de instrumentais cirúrgicos, protegendo contras as altas temperaturas do processo de esterilização, reduzindo os custos com reparos e aumentando a vida útil do instrumental.

EMBALAGEM
PROLUB está disponível nas seguintes embalagens:

  • Galão com 5 Litros
  • Frasco com bico Spray com 1 Litro

Diferenciais do Neozime 5

Proteção

Protege os instrumentos formando uma camada protetora que previne oxidações, manchas e travamento das articulações.

Alto desempenho

Alto desempenho composto por óleos minerais sem silicone, tensoativos não iônicos e emulsionantes.

Redução de custos

Reduz custos com reparos e reposição de instrumentais.

Porque usar o Prolub?

Os instrumentos cirúrgicos representam aos Serviços de Saúde um investimento elevado, com isso espera-se que estes sejam duráveis e cumpram a função a que se destinam.

No entanto, estes aspectos podem ser comprometidos se o instrumento cirúrgico for manuseado de forma inadequada tanto durante sua utilização, quanto no seu processamento (limpeza, esterilização e acondicionamento).

A padronização dos procedimentos de limpeza e esterilização dos instrumentais, busca dentre outros aspectos garantir uma maior durabilidade dos mesmos, a conservação dos instrumentais com uso rotineiro de produtos químicos, como os lubrificantes e removedores de oxidação é recomendado para que o material se mantenha com as características originais, permitindo o uso e processamento corretos (limpeza, desinfecção e esterilização).

Peças mal conservadas, desgastadas e com presença de fissuras, dificultam a limpeza e permite o aparecimento de manchas e oxidações.

O grau de degradação aumenta a cada ciclo, interferindo no resultado do processo de limpeza e esterilização da peça.

Como usar o Prolub?

Solução Pronto Uso (uso sem diluir)

Agite levemente antes de usar;
Aplique o produto sobre as peças, movimentando as articulações; 
Deixe escorrer ou retire com auxílio de material absorvente o excesso do produto;
Após o uso do Prolub execute o processo de esterilização a vapor.

Citações

“É recomendada a utilização de substâncias inibidoras de corrosão que forme uma barreira protetora sobre os instrumentais cirúrgicos. Esta substância é um lubrificante para os instrumentais e deve ser não oleosa, não pegajosa, atóxica e sem silicone, que previne da corrosão, ferrugem, manchas e o enrijecimento do instrumental, permitindo que estes se conservem em excelentes condições de trabalho, reduzindo o custo com reparos e reposição.” (GUIMARÃES, S.M.; et al. Tratamento De Materiais Utilizados Em Laparoscopia. Revista gaúcha de enfermagem. Porto Alegre: v. 17. n.1, p. 19-25, jan. 1996).

“Utiliza-se um produto neutro, hidrossolúvel que age através da formação de uma película protetora sobre a superfície do instrumental favorecendo a maleabilidade e prevenindo o surgimento de pontos de oxidação sobre estes. Deve ser atóxico e permeável ao vapor, portanto não há necessidade de sua remoção antes do processo de esterilização. A utilização de vaselina não é recomendada, pois esta forma uma fina camada na superfície do instrumental, sob a qual esporos podem resistir à esterilização. Após o processo de revitalização/lubrificação, os instrumentais são enviados para acondicionamento e esterilização.” (EDLO –Manual de conservação).

“Todas as juntas articuladas devem estar lubrificadas, sendo que o lubrificante empregado tem que ser não corrosivo. Recomenda-se, no entanto, que seja adequado à aplicação médica, de acordo com a farmacopéia nacional pertinente.” (ABNT – NBR14174: Instrumentais cirúrgico e odontológico de aço inoxidável – Orientações sobre cuidados, manuseio e estocagem. Ago, 1998).

“O instrumental cirúrgico deve ser mantido lubrificado para evitar futuras oxidações. O uso de óleos a base de petróleo (vaselina, silicone, lubrificantes, aerossóis…) devem ser evitados, pois atacam os materiais dos instrumentos. Lubrificantes minerais não oleosos, poderão ser aplicados em qualquer instrumental, protegendo-o de oxidação e mantendo a elasticidade das peças de borracha. (MACOM. Guia para conservação, limpeza e esterilização de instrumentais cirúrgicos. 2011.)”

  • pH
  • Irritabilidade ocular
  • Irritabilidade dérmica
  • Corrosividade
  • Citotoxicidade

PRODUTO RISCO I – PRODUTO SANEANTE

NOTIFICADO NA
ANVISA Nº 25.351.753.393/2009-45

Categoria: Detergente Anti Ferruginosos

RDC Nº 47, de 25 de outubro de 2013.
RDC Nº 59, de 17 de dezembro de 2010.
RDC Nº 42, 13 de agosto de 2009.
RDC Nº 40 de 05 de junho de 2008.
RDC n° 184, de 22 de outubro de 2001.

Rolar para cima
Quer um contato? Chame agora